Cronista da vida, das coisas e do mundo. Lifestyle, um pouco de tudo.

Livros

Cura pelos Clássicos de Ficção: A Metamorfose, de Franz Kafka

De leitura breve porém intensa, a Metamorfose de Franz Kafka é a obra mais conhecida do autor nascido em Praga.

Oitavo post crônica de livro da serie Cura pelos Clássicos de Ficção.

— — —

Escrito em três semanas nos últimos meses de 1912 e publicado três anos depois em 1915, A Metamorfose é a obra mais famosa de Franz Kafka. O conto narra a história trágica e perturbadora de Gregor Samsa, que acorda um dia para descobrir que foi transformado em um inseto gigante. 

À medida que a história avança e da perspectiva de Gregor, o leitor aprende mais sobre sua vida e sua dedicação à família é enfatizada. Ele é um caixeiro-viajante, um trabalho com pessoas que odeia. Apesar disso, ele continua, pois precisa quitar uma dívida de seu pai. A responsabilidade dele para com sua família é um dos temas mais importantes deste livro. 

A história é contada a partir da perspectiva da personagem principal, e, portanto, o leitor deve ter empatia por ele ao máximo. Mesmo sendo ele um inseto gigante que causa repulsa a grande maioria das pessoas. Isso mostra a habilidade de Franz Kafka como escritor, particularmente sua habilidade de construir um personagem difícil em uma situação muito desafiadora. 

Existem muitas incógnitas em A MetamorfoseMas não vou entrar em detalhes, pois mesmo sendo um livro publicado há mais de 100 anos, sei que sempre existem leitores que não apreciam spoilers. Mas adianto que é uma leitura fácil e rápida, apenas saiba lidar com as reflexões que a história de Gregor Samsa tem a lhe trazer. E isso eu adianto que podem ser muitas.

Franza Kafka um dos escritores mais influentes do século 20, responsável por obras repletas de temas associados a psicologia. Retrata situações com as quais podemos nos identificar mesmo agora no nosso século. O escritor com uma das biografias mais tumultuadas que conheço tem boa parte de sua história exposta pelas ruas, museus e monumentos em Praga, cuja lista você confere neste post do meu Receita de Viagem. Mas antes do tour, fica a minha recomendação de leitura!

— — —

A Metamorfose de Kafka e a superficialidade das relações humanas

Eu odeio insetos, e acho importante destacar. Me desespero diante da presença de uma pequena aranha e já revirei meu apartamento para matar uma pequena barata que avistei ao longe. Mas me senti comovida com a tragédia de Gregor Samsa criada pela mente brilhante de Kafka.

Afinal, quem nunca se sentiu um inseto inconveniente na vida das pessoas que ama, e que julgava também te amarem?!

Confesso que na releitura deste livro me espantei com a resignação da personagem principal ao trágico acontecimento. E durante toda a leitura fiquei me questionando sobre a forma como ele reagiu ao ver-se transformado em barata. Mas compreendi, ao meu modo, o verdadeiro propósito do livro quando cheguei ao seu final.

Fui dormir com um sentimento de revolta, e talvez por isso tinha esquecido completamente do desfecho de Gregor Samsa, quando li este livro muito anos atrás. Segundo a crítica, não só esta, mas toda a obra de Kafka (que ele tentou eliminar pouco antes de morrer) é imbuída de temas psicológicos, relacionando traumas e fatos de sua própria existência. Eu fico com a minha própria “leitura” que deixo abaixo como finalização, pois tenho certeza de que cada pessoa vá entender de uma maneira diferente.

Dificilmente extraio alguma mensagem dos livros que leio, pois gosto do hábito em si para me distrair da realidade – e acredito piamente no quanto isso pode nos curar dos males da alma. Mas é impossível sair ileso desta leitura, sem pensar no quanto as relações humanas são superficiais. E que o amor próprio é o bem mais precioso que um ser humano pode ter.

Foi isso que aprendi da tua história Gregor. E mesmo odiando baratas, se fosses meu pai, irmão ou filho, eu jamais te abandonaria – não pelo que és agora, mas pelo que fostes antes da fatídica metamorfose.

A primeira frase de A Metamorfose de Franz Kafka foi a inspiração para Gabriel García Marques iniciar a escrita de seu livro Cem Anos de Solidão, cuja review também está disponível no blog.

— — —

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.